Moda Retrô Faz Estilista Faturar mais de R$ 5 mil Por Mês
15 de janeiro de 2018
Do lixão para o sucesso no Empreendedorismo
17 de janeiro de 2018
Exibir tudo

Foto/Reprodução

Irmãs encontraram na deficiência de mercado a oportunidade de fazer a diferença.

A necessidade de dá suporte a alguém da família levou duas irmãs, Sarah e Julinha Lazaretti, empreender em um nicho que na época – entre os anos 80 e 90 não era tão explorado. A filha da Sarah, Marina Lazaretti, foi diagnosticada com dermatite atópica uma doença que provoca coceiras no corpo todo e em alguns casos abri feridas.  Inspiradas pela situação as duas fundaram em 1993 a Alergoshop, empresa que desenvolve produtos livres de substâncias que causam alergias.

No tempo que a Marina era bem pequena e precisava de cuidados especiais os produtos hipoalergênicos não eram tão comuns nas prateleiras do mercado brasileiro. E foi neste momento que as duas irmãs decidiram unir tudo o que tinha – até suas formações acadêmicas, Sarah enfermeira e Julinha Bióloga que cursava uma especialização com foco nos estudos de alergia – para estruturar o negócio que iria revolucionar o mercado.

“A gente não tinha experiência em administrar um negócio, mas tínhamos essa expertise. Fomos batendo cabeça no começo”, conta Julinha.

No inicio da Alergoshop tinha como principais produtos no portfólio, artigos hipoalergênicos importados, mas com o passar do tempo começaram criar produtos próprios em parceria com médicos de uma clínica antialérgica na qual Julinha trabalhava. E durante o processo as irmãs Lazaretti enxergaram a oportunidade de ajudar outras pessoas e até os médicos que passavam dificuldade para encontrar soluções.

“Eu via que eles também passavam dificuldade na hora de indicar produtos para quem sofria com as alergias. Nos reunimos para pensar em soluções”, diz.

Com a base teórica bem fundamentada, com o apoio dos médicos e técnica singular, as Lazaratti começaram a se movimentar em direção aos processos legais do negócio. Foram atrás de fornecedores, registro na ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária, que ainda não era o órgão responsável pelo registro.

A técnica utilizada retirava dos produtos os agentes causadores das principais alergias, como dermatite e rinite. “Os médicos desenvolveram um protocolo do zero para testar nossos produtos. Fomos os primeiros do Brasil, praticamente”, diz Julinha.

Em mais de 20 anos de atuação, o negócio expandiu e conta com mais de 200 produtos hipoalergênico em seu portfólio em diversas áreas. Em 2017 mais de 380 mil unidades foram vendidas e para 2018 a meta é lançar produtos novos a esperança de negócios melhores.

“Sabemos que somos uma empresa de nicho e queremos nos especializar nisso. Este ano o objetivo é criar produtos novos para bebês e idosos. 2017 foi melhorando no final, mas contamos que 2018 seja bom o ano inteiro”.

Cia Magistral
Cia Magistral
Criado em 1989, o curso conta com técnicas próprias, desenvolvidas pela fundadora da empresa, Isolene Niedermeyer, e ensina de maneira prática e eficaz, os seus alunos a fabricar lindas lingeries com a qualidade que o mercado exige. Mesmo se o aluno nunca costurou é possível aprender. Desde a sua criação, o Curso de Confecção de Lingeries Cia. Magistral já formou mais de 300 mil alunos em todo o Brasil e continua contribuindo com uma formação plena e profissional contribuindo para o crescimento individual de cada profissional e a realização dos seus sonhos.
//]]>